Eu não gosto de carne de borrego!

/ / Convidados, Marrocos

Quando viajo procuro, acima de tudo, conhecer as gentes e os locais, os seus monumentos e paisagens, descobrir as histórias que cada um dos lugares tem para me contar, as suas tradições e vivenciar os ambientes, em busca das experiencias que cada destino tem para me oferecer.

Nesta busca de vivências e tradições, incluem-se as cores, os cheiros, o espirito dos lugares, que de alma aberta me convido a sentir.

Também a gastronomia, como um dos principais fatores identitários de cada cultura, tem importância relevante nas minhas viagens.

Quando surgiu a oportunidade da viagem a Marraquexe, Marrocos, com amigos que já conheciam bem a cidade, uma das questões que se colocou foi o facto de um dos principais ingredientes da gastronomia marroquina ser a carne de borrego – EM MARROCOS TODA A REFEIÇÃO QUE SE PREZE INCLUI CARNE DE BORREGO!

MAS EU NÃO GOSTO DE CARNE DE BORREGO!!!

Os amigos bem tentaram entusiasmar-me. Os argumentos foram crescendo, chegando a “OS MARROQUINOS FAZEM O BORREGO DE UM MODO DIFERENTE” e “VAIS VER QUE ATÉ VAIS GOSTAR”.

Nunca me convenceram! Mas estava confiante que haveria sempre um ou outro pratito alternativo!

Logo no primeiro dia, chegámos à hora do jantar, à praça JEMMA EL FNA, com um ambiente incrível: cheio de luzes, cores, musicas, cheiros, muitos chás e… COZINHADOS de CARNE DE BORREGO.

Gente por todo o lado a interagir connosco, num frenesim surpreendente … quase mágico!

De repente vejo-me numa banca, sentado, com várias iguarias de CARNE DE BORREGO à minha frente, que observo desconfiado, mas com alguma curiosidade porque o cheiro era realmente muito agradável.

Arrisco uma dentada com um bom pedaço de pão local.

Provei…

Comi, repeti e repeti! Surpreendi todos (ou não) com o pedido de mais uma dose, de tão saboroso que estava!

Enquanto lá estivemos comi carne de borrego todos os dias! TANGIAS, MECHOUI, TAJINES, em cima de um papel de embrulho ou em forma de sandes, sempre à mão e sem grandes pruridos – comi que me fartei e gostei ainda mais!

EU ATÉ GOSTO DE CARNE DE BORREGO!

 

Autor: Fernando Ramos (Arquitecto)